Escrito por Ivan Martins, da Época

Eu nunca experimentei, mas dizem que namoros à distância são complicados. Falta convívio, sobram inquietações, algumas experiências importantes são atrofiadas. Mesmo em tempos de Skype e WhatsApp, a intimidade de quem se relaciona à distância é incompleta. Um corpo apaixonado requer o toque do outro corpo. Na ausência desse contato, as relações são limitadas. Por isso os namoros à distância tendem a ser temporários. Ou as pessoas se mudam para o mesmo lugar ou o romance acaba.

Pensei nisso na semana passada, quando uma moça me contou que seu namoro acabara repentinamente, durante uma conversa por Skype. O rapaz está morando na Europa e anunciou que ficará por lá, indefinidamente. Ela estava devastada. Imaginava que ele voltaria nos próximos meses ou que a convidaria para encontrá-lo. Ele, obviamente, tinha outros planos e sentimentos.

Minha primeira reação a essa história foi maldizer o abismo social que separa os dois continentes e torna a vida na Europa tão atraente para boa parte dos brasileiros. Mas, depois de ouvir com atenção, essa impressão se desfez. Ficou claro que o problema não estava na distância civilizatória entre o Brasil e a Europa, mas na distância entre o que a moça imaginara e a realidade. Ela havia inventado um namorado para si mesma. O que o sujeito fez no Skype foi comunicar a ela que a ilusão estava oficialmente encerrada.

Alguma leitora dirá que é impossível inventar um namorado, e estará errada. Homens e mulheres têm capacidade de acreditar em qualquer coisa que lhes dê conforto ou alivie sofrimentos. As relações imaginárias são uma delas. Quando falta um relacionamento real, as pessoas podem se enrabichar com o cobrador de ônibus, com a gerente do banco ou até mesmo com aquela prima – ou primo – que aparece de visita uma vez por ano. Basta a pessoa dar atenção ao carente para que ele se imagine numa relação.

O que aconteceu com a protagonista desta história foi diferente. Ela passou algumas semanas com um homem que estava de partida e imaginou que o combustível emocional seria suficiente para aquecer dois corações à distância. Estava errada. Assim que chegou ao outro lado do Atlântico, o rapaz começou a mudar de atitude. De apaixonado foi passando a distraído, e logo a impaciente. As trocas de WhatsApp escassearam, e as conversas semanais por Skype se tornaram burocráticas. Ela pedia atenção e sentimento. Ele oferecia pressa e indisfarçável frialdade. No aniversário de um ano da viagem, encerrou a farsa. O que para ele fora apoio emocional num momento de transição se transformara para ela em esperança de vida comum. Não poderia haver sentimentos mais desencontrados.

Se o relacionamento entre eles era imaginário, a dor que ela sente é real. Está arrasada e ressentida. Acredita que perdeu um ano de vida se dedicando a um egoísta. É um julgamento duro, provavelmente correto, que ajuda a superar seu sofrimento. Mas ele contém um elemento de ilusão. Culpar a fraqueza e a ambiguidade do outro a isenta de pensar em sua própria responsabilidade no episódio. A base da relação era frágil, e o rapaz deu vários sinais de que desejava rompê-la, mas ela persistiu no namoro à distância, acreditando e insistindo, até que ele tornou a fantasia impossível. Ela tem direito de se sentir enganada, mas talvez devesse admitir que foi cúmplice da encenação.

Descontadas as particularidades – a Europa, o Skype, o tempo  –, essa história guarda lições para nós todos. Somos especialistas em enxergar aquilo em que queremos acreditar e mestres em ignorar evidências que nos contrariem. Cavalgamos ilusões com mais facilidade do que lidamos com a realidade. Cultivamos fantasias autocomplacentes no mundo do trabalho, nas relações sociais e nos afetos. Depois nos enfurecemos – ou desabamos – quando os fatos nos contrariam. Se os nossos problemas se resumissem aos que agem mal conosco, teríamos pouco com que nos preocupar. O que mais atrapalha a nossa vida são os nossos enganos.

Não interessa saber se o namoro é à distância, mas se ele é real. Se a pessoa do outro lado da linha telefônica – ou do outro lado da sala – faz com que você se sinta amada ou amado, tudo bem. Esse é o antídoto contra o autoengano. As relações que satisfazem emocionalmente costumam ser verdadeiras. Problemas e complicações são inevitáveis, mas, quando se olha nos olhos do outro – mesmo desapontado, mesmo depois de uma briga, mesmo na tela do computador – é preciso encontrar cumplicidade e reconhecimento, não indiferença ou desatenção.

O relacionamento que a moça me relatou não resiste aos filtros de realidade. Um dia talvez tenha sido verdadeiro, mas havia tempos não passava de ilusão. Por pior que tenha agido antes, o rapaz foi correto ao encerrá-lo. A moça está gostando de sentir-se vítima, mas faria mais por si mesma se admitisse seu próprio papel na trama. Abandonar-se à autopiedade é uma forma conhecida de prazer, mas, assim como os namoros imaginários, não leva a lugar nenhum.